Entrevista com a banda Ludov

22 mar, 2013

Dez anos se passaram e parece que foi ontem que os estudantes de propaganda e marketing deram fim ao antigo grupo The Maybees e resolveram mudar o rumo de suas carreiras. Ludov é uma das bandas de pop rock independente mais expressivas do Brasil. O caminho não foi fácil. Deixaram as canções em inglês de lado e se aventuraram em diversos festivais de música no país.

Não à toa, o grupo formado em São Paulo tem um público fiel em São Luís, no Maranhão. O motivo? Mauro Motoki, guitarrista da banda, desconfia que pode ter a ver com o fato de as pessoas naturais da cidade serem chamadas de “ludovicense”: “A empatia talvez tenha surgido daí”, diz. Ludov, que ainda está em fase de comemoração por conta dos 10 anos do grupo, completados em 2012, parece ter encontrado o gran finale perfeito: irão se apresentar, no próximo dia 30, no festival Lollapalooza.

O guitarrista bateu um papo com o zbra.fm por telefone, falou do passado e, principalmente, dos projetos futuros da banda que está longe de se aposentar. Confira!

zbra.fmComo começou o Ludov? Ela surgiu depois do The Maybees (primeira banda do grupo). Por que a necessidade de mudar?

Mauro: Na verdade o Ludov surgiu depois que terminamos com o The Maybees. Tínhamos saído do selo e ficamos uns quatro meses parados. Quando o grupo se reencontrou queríamos um repertório novo, bem diferente do The Maybees, que cantávamos em inglês. Com a nova proposta fazia sentido fazer uma nova banda.

zbra.fm - Em 2012, a banda fez 10 anos de carreira. Desde o primeiro trabalho “Dois A Rodar”, o que mudou? 

Mauro: Em dez anos dá para mudar muita coisa. Nos últimos tempos começamos a fazer um exercício de revisão de tudo que passou, começamos a olhar para trás… Hoje todos têm família e, consequentemente, prioridades diferentes. Mas o mais bacana é que a convivência com os integrantes continua igual. Temos prazer de nos encontrarmos, de ir aos ensaios, o que nem sempre acontece com bandas depois de 10 anos juntas…

zbra.fm - Vocês lançaram o EP “Minha Economia”, em 2011, depois “O Paraíso”, em 2012 e disseram que viria o terceiro da série, que ainda não foi lançado. Tem previsão? Pretendem fazer um álbum inteiro com os três? Ou talvez um novo disco com inéditas?

Mauro: Acabamos atrasando o lançamento do terceiro EP, mas ele deverá sair em duas ou três semanas. Se chamará “Eras Glaciais”. Provavelmente tocaremos umas duas músicas do novo EP no Lollapalooza. Depois disso iremos lançar um disco cheio no meio do ano, com inéditas.

Também pretendemos, em comemoração à trilogia dos EPs, fazer um vinil no final do ano. Como eles vieram em número limitado, alguns fãs acabaram ficando sem, então será uma oportunidade deles terem as músicas.

zbra.fm - Os dois últimos EPs vieram em formatos inusitados. O primeiro com encartes produzidos manualmente pela banda (e acabou gerando um vídeo “Confeccionando o EP”). Depois, “O Paraíso” veio em pen drive. O terceiro também terá um formato especial?

Mauro: Ele vai vir sim… Na verdade estamos quebrando a cabeça, pois, como pensamos em fazer um vinil no final do ano com a trilogia, queríamos fazer algo diferente. A solução foi, já que somos em 4 (mais o baixista, que já virou o quinto integrante), cada um irá fazer uma capa diferente. Ao todo serão cinco, e o fã pode comprar a que mais gostar ou ter uma cópia de cada.

zbra.fm - Vocês tocarão no próximo dia 30, no Lollapalooza. O que esperam do show? 

Mauro: O Ludov tem um público bem fiel, que o acompanha ao longo desses 10 anos, mas ele muda. O que é legal nesse tipo de evento é que além do público fiel, sempre tem aquela pessoa que perdeu um pedaço da história do grupo. É legal nos mostrarmos para este público.

Também é uma ótima oportunidade para reaparecer. Teremos muitos lançamentos neste ano, é um modo de se preparar para esse reaparecimento.

zbra.fm - Depois do Lolla, quais são os planos?

Mauro: Já temos datas para alguns shows em abril e maio no Estado de São Paulo, mas as datas divulgaremos em breve no site da banda.

Share

Deixe um comentário